Fundação Clóvis Salgado

Código: 1.43.95.1956

Nº SNIIC: SP-6364

A história da Fundação Clóvis Salgado teve início com a inauguração da Grande Galeria no Palácio das Artes, em 30 de janeiro de 1970. Nesse mesmo ano, foi criada a Fundação Palácio das Artes para administrar e conduzir as obras em andamento. Em 1978, alterou-se a denominação da FPA, que passou a se chamar Fundação Clóvis Salgado.

Site: http://fcs.mg.gov.br/

Email para divulgação: imprensa@fcs.mg.gov.br

Telefone para divulgação: (31) 3236-7430

Informações Adicionais de Contato:
(31) 3236-7400

presidencia@fcs.mg.gov.br

Endereço: Avenida Afonso Pena 1537, Centro, 30330-002, Belo Horizonte, MG

CEP: 30330-002

Logradouro: Avenida Afonso Pena

Número: 1537

Complemento:

Bairro: Centro

Município: Belo Horizonte

Estado: MG

Território Cultural (para utilização do Sistema de Museus): Metropolitano

Descrição

A escolha do nome foi uma homenagem ao médico, professor e político responsável maior pelo levantamento dos recursos financeiros que viabilizaram a retomada e conclusão das obras do Palácio das Artes. No início do século XX, em 21 de outubro de 1909, foi inaugurado o Teatro Municipal de Belo Horizonte, na esquina das ruas Bahia e Goiás. O local integrou-se ao cotidiano da cidade com intensa e variada programação, sediando celebrações e solenidades oficiais. Em 1940, considerando o contexto urbano, o então prefeito Juscelino Kubitschek propôs a construção de um novo Teatro Municipal e a transformação do prédio da rua Goiás no Cine Metrópole. O conjunto da Pampulha já era, na época, uma realidade, quando JK convocou Oscar Niemeyer para mais uma grande obra na capital mineira. O arquiteto propôs a implantação de um teatro no parque municipal ligado à avenida Afonso Pena por uma extensa passarela de concreto. As obras, iniciadas em 1943, foram paralisadas em 1945. Sem um teatro municipal, Belo Horizonte recebeu em 1950, em caráter provisório, um “teatro de emergência” que receberia depois o nome de Teatro Francisco Nunes. Diversos prefeitos se sucederam a JK e poucas tentativas de conclusão da obra foram feitas. Em 1955, o arquiteto Hélio Ferreira Pinto foi convidado para redimensionar o projeto original transformando-o no Palácio das Artes, com acesso pela avenida Afonso Pena e acrescentando-lhe outros equipamentos. O Grande Teatro do Palácio das Artes foi inaugurado em março de 1971. Outros espaços foram criados posteriormente, como o Cine Humberto Mauro (1978), Teatro João Ceschiatti e Galeria Arlinda Corrêa Lima (1984), Sala Juvenal Dias (1993), Galeria Genesco Murta (início da década de 1990) e Galeria Mari’Stella Tristão (2016). Alguns desses espaços foram requalificados ao longo de 2017 e 2018, e outros foram criados, como a PQNA Galeria Pedro Moraleida, o Acervo FCS e a Galeria Aberta Amilcar de Castro que, com a construção do Passeio Niemeyer, resgataram o conceito original do espaço.
evento entre e Baixar Planilha

O Museu encontra-se: aberto

Horário de funcionamento: De acordo com os eventos.

Entrada

Entrada é cobrada: não

Acessibilidade

Acessibilidade física:

Acessibilidade para pessoas com deficiências auditivas e visuais:

Atendimento aos turistas estrangeiros:

Instalações

Instalações básicas e serviços oferecidos:

Capacidade do teatro/auditório (assentos): 1578

O museu possui arquivo histórico? sim

O arquivo tem acesso ao público? não

O Museu possui biblioteca? sim

A biblioteca tem acesso ao público? sim

O museu promove visitas guiadas? sim

Atividades educativas e culturais

O museu realiza atividades educativas e culturais para públicos específicos? n

Esfera: Pública

Tipo de Esfera: Estadual

Ano de abertura: 1970

Instrumento de criação:

Descrição: Lei nº 5.455, de 10 de junho de 1970 somente para instrumento do tipo "Outros"

Tipo: Tradicional/Clássico

O museu é de caráter comunitário? sim

Temática: Artes, arquitetura e linguística

Para solicitar o Registro de Museus é simples. Basta seguir estes três passos:

  • 1. Preencher e assinar o Formulário de Solicitação de Registro, ao final da página.
  • 2. Fotocopiar os documentos solicitados (vide lista abaixo de acordo com a natureza administrativa da instituição).
  • 3. Reunir o Formulário devidamente preenchido e a documentação solicitada e entregar a documentação na sede do Ibram em Brasília ou enviar por correio com aviso de recebimento para o seguinte endereço:


    Instituto Brasileiro de Museus – Ibram
    Cadastro Nacional de Museus (CNM)
    Setor Bancário Norte, Quadra 02, Bloco N, 1º Subsolo
    Cep: 70040-020 – Brasília – DF

Documentação Necessária:
Museu Público Federal
  • CPF e RG (autenticados em cartório) do responsável pelo museu;
  • Documentação que comprove que o titular do RG e do CPF enviados é o responsável pelo museu, que poderá ser através de termo de posse, ato de nomeação, ou outro documento congênere;
  • CNPJ do museu ou da instituição mantenedora;
  • Instrumento de criação do museu ou outro documento oficial da instituição à qual o museu esteja subordinado/vinculado;
  • Termo de Solicitação do Registro preenchido.
Museu Público Estadual, Municipal e Distrital
  • CPF e RG (autenticados em cartório) do responsável pelo museu;
  • Documentação que comprove que o titular do RG e do CPF enviados é o responsável pelo museu, que poderá ser através de termo de posse, ato de nomeação, ou outro documento congênere;
  • CNPJ do museu ou da instituição mantenedora;
  • Instrumento de criação do museu ou outro documento oficial da instituição à qual o museu esteja subordinado/vinculado;
  • Termo de Solicitação do Registro preenchido.
Museu Privado
  • CPF e RG (autenticados em cartório) do responsável pelo museu;
  • Documentação que comprove que o titular do RG e CPF enviados é o responsável pelo museu, que poderá ser através de termo de posse, ato de nomeação, ou outro documento congênere;
  • CNPJ do museu ou da instituição mantenedora (com personalidade jurídica);
  • Instrumento de criação do museu ou outro documento oficial da instituição à qual o museu esteja subordinado/vinculado;
  • Termo de Solicitação do Registro preenchido.
ATENÇÃO!
  • As despesas de autenticação e envio deverão correr por conta do museu solicitante;
  • O museu deverá manter atualizados todos os seus dados junto ao Registro de Museus, enviando toda a documentação comprobatória de qualquer alteração das informações já fornecidas;
  • No caso de inexistência de documento oficial que declare quem é o responsável pelo museu, será admitido como comprovação documento que contenha tal informação assinado pelo representante máximo da instituição mantenedora. Nessa situação, o representante máximo da instituição mantenedora deverá enviar cópia do seu RG, do CPF (autenticados em cartório) e documento oficial que declare sua ocupação neste cargo;
  • Museus que possuem filiais ou seccionais em endereços de visitação diferentes deverão responder um questionário para cada unidade.

Publicado por

CNM - Cadastro Nacional de Museus

O Cadastro Nacional de Museus já completou dez anos em operação e se constitui como uma fonte ampla de informações atualizadas sobre os museus do país. Objetiva produzir conhecimentos e informações sistematizadas sobre o campo museológico em toda a sua diversidade. Nesse período, foram mapeados mais de 3.500 museus em todo o território nacional.