Casa do Baile

Código: 6.07.01.7562

Nº SNIIC: SP-201912

Espaço em que as curvas características das obras de Niemeyer aparecem com maior desenvoltura, a Casa do Baile foi concebida pelo arquiteto e por Roberto Burle Marx, propondo uma integração total com o ambiente da lagoa. O local desenvolve exposições, divulga e produz publicações, mostras, seminários, encontros e eventos relacionados às áreas de urbanismo, arquitetura e design.

Email para divulgação: cb.fmc@pbh.gov.br

Telefone para divulgação: (31) 3277-7443

Endereço: Avenida Otacílio Negrão de Lima, 751 , Pampulha, 31365-450, Belo Horizonte, MG

CEP: 31365-450

Logradouro: Avenida Otacílio Negrão de Lima

Número: 751

Complemento:

Bairro: Pampulha

Município: Belo Horizonte

Estado: MG

Território Cultural (para utilização do Sistema de Museus): Metropolitano

Descrição

A Casa do Baile integra o Conjunto Moderno da Pampulha. Ela foi reaberta em dezembro de 2002, transformando-se em Centro de Referência de Urbanismo, Arquitetura e Design, ligado à Fundação Municipal de Cultura, da Prefeitura de Belo Horizonte.

A Casa do Baile possui um salão expositivo e um auditório . Recebe exposições, divulga publicações, mostras, seminários, encontros e outros eventos relacionados às áreas de urbanismo, arquitetura e design.

Referência da arquitetura moderna brasileira, o projeto original e o paisagismo da Casa do Baile foram concebidos por Oscar Niemeyer e Roberto Burle Marx , que propunham uma integração total com o ambiente da lagoa. Niemeyer afirma ter sido o projeto com o qual ele se ocupou das curvas (sua marca registrada) com mais desenvoltura. A planta se desenvolve a partir de duas circunferências que se tangenciam internamente. Delas desprende-se uma marquise sinuosa, bem ao gosto barroco, que provoca o olhar e dialoga com as curvas das margens da represa. Essa marquise é suportada por colunas e termina em outro pequeno volume de forma amebóide. À frente desse volume, há um pequeno palco circular cercado por um lago. O projeto estrutural é de autoria do engenheiro Albino Froufe.

Inaugurada em 1942, a edificação comportava um restaurante com pista de dança, cozinha e toaletes. Situada numa ilha artificial, ligada por uma pequena ponte de concreto à orla, a Casa do Baile foi projetada com a finalidade de criar na Pampulha um espaço de diversão popular.

Como espaço de lazer e entretenimento nas noites belo-horizontinas, a Casa do Baile logo tornou-se palco de atividades musicais e dançantes freqüentada pela sociedade mineira. A proibição do jogo, em 1946, resultou no fechamento do Cassino, atual Museu de Arte da Pampulha - MAP, o que afetou a vizinha, Casa do Baile, que também acabou por encerrar suas atividades.

A partir daquela data, sob a administração da Prefeitura, o espaço abrigou vários usos e variados fins comerciais: nos anos 80, funcionou como anexo do MAP, como restaurante e acabou novamente fechada. Em 2002, a Casa do Baile foi reaberta após sua restauração, realizada sob a coordenação do próprio Oscar Niemeyer com novos sistemas de climatização e iluminação. Seus jardins também passaram por um processo de revitalização, obedecendo à intenção paisagística da proposta original de Burle Marx. Desde então, a Casa do Baile funciona como Centro de Referência de Urbanismo, Arquitetura e Design.
Como reconhecimento de sua importância para a identidade cultural do país, a edificação mereceu o tombamento nas três esferas: federal, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e artístico Nacional/ IPHAN; estadual, pelo do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais/IEPHA-MG e municipal pelo Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural do Município de Belo Horizonte-CDPCM/BH. E em 2016 foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO

Galeria

evento entre e Baixar Planilha

O Museu encontra-se: aberto

Horário de funcionamento: Terça a Domingo, de 9 às 18h

Entrada

Entrada é cobrada: não

Acessibilidade

Acessibilidade física:

Acessibilidade para pessoas com deficiências auditivas e visuais:

Atendimento aos turistas estrangeiros:

Instalações

O museu possui arquivo histórico? não

O arquivo tem acesso ao público? não

O Museu possui biblioteca? não

A biblioteca tem acesso ao público? não

O museu promove visitas guiadas? sim

Em caso positivo, especifique: SOMENTE mediante agendamento

Atividades educativas e culturais

O museu realiza atividades educativas e culturais para públicos específicos? s

Em caso positivo, especifique: escolha a(s) que mais se adeque(m)

Esfera: Pública

Tipo de Esfera: Municipal

Ano de abertura: 2002

Instrumento de criação:

Descrição:

Instituição mantenedora: Fundação Municipal de Cultura

Tipo: Tradicional/Clássico

O museu é de caráter comunitário? não

Temática: Artes, arquitetura e linguística

Para solicitar o Registro de Museus é simples. Basta seguir estes três passos:

  • 1. Preencher e assinar o Formulário de Solicitação de Registro, ao final da página.
  • 2. Fotocopiar os documentos solicitados (vide lista abaixo de acordo com a natureza administrativa da instituição).
  • 3. Reunir o Formulário devidamente preenchido e a documentação solicitada e entregar a documentação na sede do Ibram em Brasília ou enviar por correio com aviso de recebimento para o seguinte endereço:


    Instituto Brasileiro de Museus – Ibram
    Cadastro Nacional de Museus (CNM)
    Setor Bancário Norte, Quadra 02, Bloco N, 1º Subsolo
    Cep: 70040-020 – Brasília – DF

Documentação Necessária:
Museu Público Federal
  • CPF e RG (autenticados em cartório) do responsável pelo museu;
  • Documentação que comprove que o titular do RG e do CPF enviados é o responsável pelo museu, que poderá ser através de termo de posse, ato de nomeação, ou outro documento congênere;
  • CNPJ do museu ou da instituição mantenedora;
  • Instrumento de criação do museu ou outro documento oficial da instituição à qual o museu esteja subordinado/vinculado;
  • Termo de Solicitação do Registro preenchido.
Museu Público Estadual, Municipal e Distrital
  • CPF e RG (autenticados em cartório) do responsável pelo museu;
  • Documentação que comprove que o titular do RG e do CPF enviados é o responsável pelo museu, que poderá ser através de termo de posse, ato de nomeação, ou outro documento congênere;
  • CNPJ do museu ou da instituição mantenedora;
  • Instrumento de criação do museu ou outro documento oficial da instituição à qual o museu esteja subordinado/vinculado;
  • Termo de Solicitação do Registro preenchido.
Museu Privado
  • CPF e RG (autenticados em cartório) do responsável pelo museu;
  • Documentação que comprove que o titular do RG e CPF enviados é o responsável pelo museu, que poderá ser através de termo de posse, ato de nomeação, ou outro documento congênere;
  • CNPJ do museu ou da instituição mantenedora (com personalidade jurídica);
  • Instrumento de criação do museu ou outro documento oficial da instituição à qual o museu esteja subordinado/vinculado;
  • Termo de Solicitação do Registro preenchido.
ATENÇÃO!
  • As despesas de autenticação e envio deverão correr por conta do museu solicitante;
  • O museu deverá manter atualizados todos os seus dados junto ao Registro de Museus, enviando toda a documentação comprobatória de qualquer alteração das informações já fornecidas;
  • No caso de inexistência de documento oficial que declare quem é o responsável pelo museu, será admitido como comprovação documento que contenha tal informação assinado pelo representante máximo da instituição mantenedora. Nessa situação, o representante máximo da instituição mantenedora deverá enviar cópia do seu RG, do CPF (autenticados em cartório) e documento oficial que declare sua ocupação neste cargo;
  • Museus que possuem filiais ou seccionais em endereços de visitação diferentes deverão responder um questionário para cada unidade.